Muita festa no dia dos mortos no México

  • Rafael Lopez Villasenor
  • Artigos
0
0
0
s2smodern
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

Para a cultura mexicana os mortos não morreram totalmente, mas continuam vivos nas tradições populares. O dia dos mortos é uma festa colorida, celebrada com alegria irônica, com oferendas de comidas, flores, bebidas alcoólicas, incenso, velas! A festa é celebrada de maneira muito especial e única, nos dias 01 e 02 de novembro, conservando tradições regionais próprias das culturas tradicionais de cada lugar e família, que tem origem nas memórias indígenas. Nesta data se recordam e se homenageiam todos os entes queridos que passaram para "outra vida". É uma devoção que mistura o sagrado e o profano, o medo e a ironia. No dia dos mortos a morte é ridicularizada em charges, caveiras de açúcar com nomes, pão dos mortos (pão em forma de osso polvilhado com açúcar ), músicas, bebidas alcoólicas, entre muitas outras formas.

dia de mortosA celebração varia de região para região, mas tem uma estrutura parecida. Em todas partes do território mexicano é uma festa popular, onde o povo se diverte de maneira irônica com a morte. É uma festa muito colorida, celebrada com uma alegria irônica, com oferendas de comidas, flores, bebidas alcoólicas, incenso, velas. A celebração do dia dos mortos pode ser feita nos túmulos dos cemitérios ou nos altares aos mortos nas casas. Não podem faltar as caveiras sorridentes de açúcar com nome das pessoas, o pão do morto, as bandeirinhas de papel colorido que decoram ruas e cemitérios.  Como afirma Octavio Paz, "o mexicano está familiarizado com a morte, brinca com ela, acaricia-a, dorme com ela, comemora-a"

A Igreja Católica oferece missas especiais para os defuntos, os cemitérios recebem visitantes das pessoas que levam flores e velas, no cinema encontramos filmes próprios para esta ocasião, as rádios tocam músicas e lendas especiais pelo dia dos mortos, a imprensa publica as tradicionais caveiras literárias, as famílias fazem em casa altares dos mortos; sem esquecer que as crianças pedem aos adultos sua caveira de açúcar. Estas manifestações culturais mostram que "a vida é a morte e que a morte é a vida", em outras palavras, no México neste dia, quem pensa a morte, celebra e pensa também a vida.dia morto

Os altares de oferendas aos mortos são preparados nas casas das famílias e podem variar de região para região, mas com uma estrutura parecida. Eles iluminam a memória dos familiares e amigos que os falecidos deixaram. No altar se colocam as fotografias dos familiares e amigos falecidos com velas para cada alma, as flores sempre ocupando um lugar especial representando a brevidade da vida.  O altar aos mortos é um dos ritos de mais populares, este rito não é pensado com saudade ou nostalgia do ente querido que morreu, mas sempre transcorre num âmbito de alegria em que se misturam música com a ironia.

Os cemitérios são visitados, principalmente no dia 02 de novembro de cada ano, dia dos mortos, ai se fazem grandes festas, inclusive com o consumo de álcool, bebida tanto para os mortos, quanto para os vivos. Os túmulos são adornados com papeis picados coloridos, flores e muitas homenagens que vão desde respeitosas velas a todo tipo de souvenir e decoração típica da festa, seja ela respeitosa ou totalmente satírica. Também os túmulos são limpados e arrumados nos dias que antecedem o dia dos mortos, este dia servem para serem usados na festa familiar com os mortos, que pode até assustar aos mais conservadores.diajanitzio

Costuma-se visitar o cemitério e levar cestas para fazer piquenique, tequila para brindar pelos que partiram e até bandas de música típica mexicana como o "mariachi" que cantam homenageando os mortos e satirizando a morte. Algumas pessoas costumam deixar bebidas alcoólicas no panteão, elas acreditam que pela noite os mortos podem sair dos túmulos e beber tequila ou outras bebidas, junto com a comida que lhes foi ofertada pelos familiares. O dia dos mortos é um dia de festa e prazer, por isso é fundamental a música, a comida, as flores, as bebidas para alegrar essa data dos que partiram para outra vida. Enfim, no dia dos mortos as pessoas levam a refeição para os mortos, onde pode se passar o dia lavando os túmulos e decorando-os com muitas flores. Lá se reza, se chora, se canta e, eventualmente, se embriagam, porque, afinal a morte é um fenômeno inseparável da vida. A melhor forma de enfrentar a morte é rir e brincar com ela como parte da vida.

A morte dá sentido à vida no México, porém a vida tem dificuldades para aceitar e compreender a morte, mesmo sabendo que cada dia que passa vivemos e morremos um pouco. Cada instante se vive e se morre. Todo mundo sabe que esse caminho é inevitável. É normal que para muitas pessoas ao ver o processo de envelhecer é de que o ser humano, rejeitando a morte como rejeita, recusando-a com todas as suas forças, tende a rejeitar também a velhice. Sabemos que a velhice e a morte estão inscritas na herança genética humana e que são coisas normais e naturais, porque uma e outra são universais e não sofrem qualquer exceção entre os mortais. Talvez por isso, na cultura popular mexicana se brinque e se diverte com a morte, fazendo com que o sentimento que poderia ser de dor, saudade e tristeza pela perda de um ente querido, se transforma em ironia e deboche. É bom lembrar que, o filme de animação musical, “Viva: a vida é uma festa”, apresenta muito bem, a celebração da festa do dia dos mortos no México.

Missionários Xaverianos no Brasil
Copyright ©2018