Quem são as três Missionárias de Maria Xaverianas assassinadas no Burundi?

0
0
0
s2smodern
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

No domingo 07 de setembro, as Missionárias de Maria Xaverianas da comunidade de Kamengue –  Bujumbura, que trabalham na Paróquia São Guido M. Conforti, dos Padres Xaverianos, estavam voltando  em casa, quando encontraram os corpos sem vida de Lucia Pulici e Olga Raschietti, que foram agredidas e golpeadas até a morte, com facas e pedras.

Foi aberto um inquérito para saber as causas deste gesto inexplicável atribuído a uma pessoa talvez desequilibrada. O evento suscitou a solidariedade e a proximidade na comunidade cristã e do povo do bairro. Na noite do mesmo dia mais uma irmã da mesma comunidade, Bernadetta Boggian, foi também agredida sem que as irmãs pudessem socorrê-la, apesar das medidas de seguranças adotadas. Neste momento de profundo sofrimento, a Congregação das Missionarias de Maria Xaverianas manifesta a gratidão para estas irmãs que, apesar da saúde frágil, quiseram voltar para a missão, doando sua vida até o fim.Manifestamos também a gratidão a Deus pelo povo e por todos aqueles que estão manifestando proximidade e solidariedade.

Quem são estas três irmãs?

Olga Raschietti

Raschietti Olga

Ela tinha celebrado 83 anos de idade, Nasceu em Vicenza o dia 22 de agosto de 1931.

Entrou nas Missionárias de Maria com 25 anos e após alguns serviços na Itália, em 1968 foi enviada para o Zaire (agora República Democrática do Congo).

Na Diocese de Uvira, no Sul-Kivu, Olga tinha desenvolvido com paixão e dedicação a  atividade pastoral e catequese nas diferentes paróquias (Kiliba, Uvira, Bukavu, Luvungi).

Com fé e coragem passou pelos acontecimentos das guerras que ensanguentaram os Países dos Grandes Lagos da África.

De 1975 a 1977, como Delegada, ficou responsável de todas as irmãs no Congo. Passou  alguns tempos em tratamento na Itália, em Parma, e períodos em diferentes atividades.

Em 2010 foi destinada para o Burundi, em Kamengue, num bairro popular da periferia de  Bujumbura, na paróquia dos padres Xaverianos. Mesmo se mais fraca, nunca se apagou  seu zelo e o contato cotidiano com o povo, para partilhar a boa nova do Evangelho.

Olga  Amou a África com intensidade e desejou ardentemente voltar apesar de seus problemas  de saúde e a idade avançada.

Contava em julho de 2013: “Estou beirando os oitenta  anos. Em minhas últimas férias na Itália, as superioras não tinham certeza de me deixar  voltar. Um dia durante a adoração rezei: ‘Jesus, que seja feita sua vontade, mas você  sabe que eu desejo sair para a missão’...”.


Lucia Pulici

Pulici Lucia

Lucia teria feito aniversário hoje. Nasceu em 1939, em Desio (Milão).

Entrou nas Missionárias em 1960 com 21 anos e em 1970 saiu para o Brasil Sul. Três anos depois  foi destinada ao Norte, onde estava se abrindo a nova circunscrição. No Norte do  Brasil trabalhou por 12 anos como enfermeira e parteira, sobretudo no meio dos mais empobrecidos.

Em 1982 foi enviada para o Zaire, onde permaneceu por 25 anos, até o ano de 2007,  continuando seu serviço de parteira e enfermeira.

Trabalhou com paixão, dedicação e competência no hospital estadual de Uvira, nos centros médicos e maternidades de Nakiliza, Luvungi, na Diocese de Uvira, e de  Mbobero, na Diocese de Bukavu.

No dia 16 de outubro de 2007 foi destinada para o Burundi, em Kamengue. Apesar da  saúde fraca quis permanecer na missão simples presença de oração e fraternidade.

No  ano passado na véspera de sua volta para o Burundi assim dizia:

“Agora estou voltando no Burundi, com a minha idade e minhas forças limitadas, que não permitem mais de correr dia e noite como antes. Mas interiormente creio de poder dizer o desejo de ser fiel  ao amor de Jesus para mim, demostrando na missão que está sempre vivo. A missão me ajuda a lhe dizer na fraqueza: ‘Jesus, olha, é meu ato de amor para você’”.


Bernardetta Boggian

bernardetta boggianEla estava com 79 anos. Tinha nascido a Ospedaletto Euganeo (PD), no ano de 1935.

Entrou nas Xaverianas com vinte e seis anos.Saiu para o Zaire em 1970: trabalhou muitos anos na diocese de Ouvira, em Kiliba, Bukavu, Kamituga, Nakiliza e Luvungi se dedicando com paixão e amor ao trabalho pastoral e em particular na promoção da mulher, nas escolas de alfabetização e formação para jovens e mulheres.

Em Bukavu foi encarregada por alguns anos da formação das jovens congolesas que se preparavam à vida missionária De 1978 a 1984 e de 1993 a 1996 foi chamada a desenvolver o serviço de Conselheira  Geral da Congregação.

Em 1997 voltou para o Congo, em Luvungi, onde continuou seu trabalho de pastoral, se ocupando em particular da alfabetização de adultos.

Em 2007 foi enviada em Kamengue no Burundi, onde estava desenvolvendo atividade de pastoral. Era capaz de um encontro simples e fraterno que superava as barreiras da nova língua.

No final de agosto de 2013, à véspera de sua volta ao Burundi assim escreveu:

“É preciso cultivar em nós um olhar de simpatia, respeito, apreciação dos valores das culturas, das tradições dos povos que encontramos. Esta atitude, além de nos trazer serenidade, ajuda a encontrar com mais facilidade a linguagem e gestos oportunos para comunicar o Evangelho. Apesar da situação complexa e de conflito nos Países dos Grandes Lagos, me parece de perceber a presença de um Reino de amor que vai se construindo, que cresce como um grão de mostarda, de um Jesus presente doado a todos.

A este ponto  do meu caminho continuo no meu serviço aos irmãos, procurando de viver com amor, simplicidade e alegria”.


Fotos do sepultamento.