Entres ramos, hosanas e benditos

Domingo, 14 Abril 2019

Tempo da Quaresma

Lc 19,24-40

Em escuta do espírito

Começa a Semana Santa, a semana maior da história. Pode parecer uma afirmação pretensiosa, em termos simplesmente humanos. É preciso entendê-la à luz da fé. Jesus, Deus verdadeiro e homem verdadeiro, cumpre nestes dias a esperança da humanidade: morrendo, partilha até ao fim a nossa humanidade; ressuscitando, vence a morte e inaugura um tempo novo, um tempo de relações novas feitas de uma vida que não tem fim. Hoje, Domingo de Ramos, fica atento às forças contrárias que se movem no teu interior: cantas de alegria diante do Senhor... e nega-Lo com o teu pecado. Medita esta dualidade que habita em ti... e começa assim a tua oração: Vinde, Santo Espírito.

Em escuta da Palavra

Naquele tempo, Jesus caminhava à frente dos discípulos, subindo para Jerusalém. Quando se aproximou de Betfagé e Betânia, perto do monte chamado das Oliveiras, enviou dois de seus discípulos, dizendo: “Ide ao povoado ali na frente. Logo na entrada encontrareis um jumentinho amarrado, que nunca foi montado. Desamarrai-o e trazei-o aqui. Se alguém, por acaso, vos perguntar: ‘Por que desamarrais o jumentinho?’, respondereis assim: ‘O Senhor precisa dele’”. Os enviados partiram e encontraram tudo exatamente como Jesus lhes havia dito. Quando desamarravam o jumentinho, os donos perguntaram: “Por que estais desamarrando o jumentinho?” Eles responderam: “O Senhor precisa dele”. E levaram o jumentinho a Jesus. Então puseram seus mantos sobre o animal e ajudaram Jesus a montar. E enquanto Jesus passava, o povo ia estendendo suas roupas no caminho. Quando chegou perto da descida do monte das Oliveiras, a multidão dos discípulos, aos gritos e cheia de alegria, começou a louvar a Deus por todos os milagres que tinha visto. Todos gritavam: “Bendito o rei, que vem em nome do Senhor! Paz no céu e glória nas alturas!” Do meio da multidão, alguns dos fariseus disseram a Jesus: “Mestre, repreende teus discípulos!” Jesus, porém, respondeu: “Eu vos declaro: se eles se calarem, as pedras gritarão”.

Comentário

"Hossana! Bendito o que vem em nome do Senhor." Deus vem à minha cidade, anónima e cheia de rostos, ao meu país amado e suportado, do qual fujo e ao qual regresso; Deus vem ao meu coração contorcido, à minha vida. Para Ele não existem cidades inabitáveis, nenhum homem a quem Ele não diga: «Hoje tenho de ficar em tua casa.» Entra em minha casa, no meu mundo, um homem que, no entanto, abala todas as regras: foi Menino numa manjedoura, vem desarmado, montado num burrico, pende da cruz, ressuscita de noite, dá-se na humildade do pão e do vinho. Identifica-se com aquele que sofre. E julgar-me-á com estas palavras "Tive fome, tive sede, era estrangeiro." Serei julgado pela capacidade de suscitar novas aclamações de "bendito o que vem" ao reconhecerem em mim o Bendito sempre presente.

Missionários Xaverianos

Vídeo e áudio



Links Relacionados

https://youtu.be/36Z16iRZcis