Em memória dos Mártires Xaverianos

Por ocasião da jornada dos Mártires Xaverianos (sexta-feira, 11 de outubro de 2019), recuperamos, de várias fontes, algumas breves linhas de reflexão sobre o significado de sua doação até o final.

A história reconhece que, desde os primórdios do cristianismo até os dias atuais, muitos cristãos sofreram perseguições pelo evangelho, como o próprio Jesus havia anunciado: "eles me perseguiram, também o perseguiam" (Jo 15, 20). A missão dos apóstolos e sua continuação na missão da Igreja antiga continua sendo o modelo fundamental de evangelização para todos os tempos: uma missão frequentemente marcada pelo martírio, como evidenciado pela crônica do século passado e pelos primeiros cinco anos do século presente. Precisamente, o martírio que dá credibilidade às testemunhas, que não buscam nenhum poder ou ganho, mas é uma rendição de sua própria vida a Cristo, manifesta ao mundo a força desarmada e cheia de amor à humanidade, que Cristo concede àqueles que eles o seguem até a doação total de sua existência (cf. Nota Doutrinal - Congregação para a Doutrina da Fé, 12/03/2007).

Os Mártires Xaverianos (incluindo as irmãs Xaverianas) morreram por nossa fé. Na sua morte, eles foram mostrados como verdadeiros missionários no último e mais sério ato de missão que puderam realizar. Naquela época, sua missão não era expressa em atividades apostólicas. A missão foi particularmente expressa como paixão. E, como Jesus na cruz, eles poderiam se referir à missão recebida - nas últimas horas de sua vida - como a última missão concluída com um "Consummatum est" e um "". Assim visto e vivido, o martírio é o evento supremo em suas mãos, Pai, eu confio minha vida da missão (cf. J. Cristo Rey Paredes G.).

Essas palavras do Enviado do Pai, "serão minhas testemunhas", nunca foram uma missão fácil para os missionários de Jesus. No entanto, mesmo caminhando em meio a contextos hostis, agressivos e perigosos ... eles não desistiram da Missão, expressaram-na em outra chave: testemunho, martírio, paixão, silêncio eloquente. E assim tem acontecido ao longo da história da Igreja, até hoje (cf. ibid.).

Nos contextos em que nossos mártires xaverianos se encontravam, testemunhar a Jesus era extremamente arriscado. A morte violenta por causa de Jesus se tornou o "caso mais sério" de seu testemunho. Eles participaram da morte de Jesus, mas também de sua vitória. O martírio foi seu último "decreto" para uma aliança de amor para sempre. Eles denunciaram o mal e o venceram com sua fidelidade e perdão (cf. ibid.). Dessa maneira, o martírio põe em cena a autêntica identidade cristã: "é a representação externa da realidade interna da vida cristã" (Hans Urs von Balthasar). "Para os cristãos, o martírio é a declaração da essência de seu próprio ser: eu sou cristão" (Daniel Boyarin).

As cartas de vários de nossos mártires testemunham que o discípulo de Jesus sabe que não pode morrer "como Jesus", mas "com Jesus", em companhia. Eles não desejavam teimosamente o martírio, mas estavam cientes do momento especial em que viviam e se colocaram nas mãos de Deus porque o martírio "é um desígnio de Deus".

Ao recordar nossos mártires, reafirmamos que o martírio não é apenas um testemunho oportuno que ocorre uma vez na história, mas tende a se estender no tempo. E por isso, torna-se uma "história". Façamos este ano um bom relato da "última missão" de nossos irmãos e irmãs mártires.

Pe. Juan Antônio Flores