A Ascensão do Senhor!

  • Tomaz Hughes
  • Artigos
0
0
0
s2smodern
0
0
0
s2smodern
powered by social2s
Pe. Tomaz Hughes, svd, faleceu dia 15 de maio de 2017. Dias antes, mesmo debilitado, escreveu seu último texto: Domingo da Ascensão do Senhor.

Eu estarei com vocês todos os dias até o fim do mundo”.

(Mt 28, 16-20) Chegamos ao último trecho do Evangelho de Mateus. Podemos dizer que o evangelho todo culmina na postura dos discípulos, descrita no versículo 17: “Ajoelharam-se diante d’Ele” - uma postura de adoração, de reconhecimento da sua natureza divina. Porém, o trecho nos adverte que muitas vezes a nossa fé em Jesus também pode ser vacilante, quando fala “ainda assim, alguns duvidaram”.

 As comunidades que podemos chamar de “mateanas” estavam em crise. Os líderes judaicos de então, diante da fraqueza da identidade judaica da época, insistiam em uma interpretação rígida da Lei e não toleravam qualquer dissidência ou questionamento.  Iniciaram um processo de expulsão dos judeu-cristãos da sinagoga, sob a acusação de estarem traindo a religião de Moisés para seguir os ensinamentos de Jesus.

Com isso os cristãos foram obrigados a buscar outros caminhos, fora do judaismo oficial, em uma insegurança que exigia coragem para fazer a nova caminhada diante de tanta oposição até dentro da própria família. O Evangelho de Mateus nasceu, então, para fazer com que a sua comunidade ficasse firme na fé em Jesus e entendesse que o seguimento de Jesus, longe de ser o abandono das tradições religiosas dos seus antepassados, era na verdade fidelidade a toda a caminhada do povo da Aliança.

Para isso, toda a história de Jesus foi recontada de uma forma tal que os seus discípulos sentissem que ele era o Messias, o Novo Moisés, o Emanuel, Deus no meio do seu povo.  Logo no início, quando o anjo do senhor anuncia o futuro nascimento a José, o texto enfatiza que o filho “será chamado pelo nome de Emanuel, que quer dizer: Deus está conosco” (Mt 1,23).  No meio do Evangelho, falando aos discípulos, o próprio Jesus afirma: “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou aí no meio deles” (Mt 18,20).

Agora, na última frase do Evangelho, o Ressuscitado garante que “Eis que estou com vocês todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28,20).  Jesus era a presença de Deus conosco desde o início, ele está presente nas comunidades hoje e ele estará sempre conosco em todas as circunstâncias da nossa vida, para sempre.

Depois de um longo escrito de vinte e oito capítulos, o Evangelho termina de uma forma muito resumida, neste texto de hoje. É um texto tão denso em conteúdo que dificilmente a gente pode imaginar como dizer mais coisas em tão poucas palavras. Como gênero literário, reúne elementos das “entronizações” do Antigo Testamento com a comissão apostólica.

Em primeiro lugar, vale notar a localização do acontecimento em Mateus - na Galiléia. Seguindo o mandamento dado pelo anjo do Senhor na manhã da Ressurreição (Mt 28, 7), os discípulos voltam para a Galileia para encontrar-se com o Senhor Ressuscitado. Aqui “Galileia” significa mais do que um local geográfico! A Galileia era lugar da missão de Jesus, onde ele serviu os pobres e marginalizados pela sociedade e pela religião oficial. Voltar para a Galileia significava voltar para a prática de Jesus, um afastamento de Jerusalém, símbolo da sede de poder e dominação. Mateus nos ensina que quem quiser encontrar-se na sua vida com o Jesus Ressuscitado deve assumir o seguimento de Jesus na prática das suas opções, aplicadas às condições e desafios da sociedade de hoje.   É o que o Papa Francisco não se cansa de ensinar.  Depois vêm as normas, orientações e disciplinas.  O que significa assumir as opções práticas de Jesus no nosso mundo de consumismo e exclusão, de materialismo e descrença? Cabe a cada Igreja Local, a cada cristão indagar-se seriamente nesse sentido.

Embora haja uma referência à visão que os apóstolos tiveram de Jesus, a ênfase cai sobre as suas palavras. Não há nenhum relato da Ascensão, como existe em Atos (At 1, 9-11) pois, para Mateus, já tinha acontecido junto com a Ressurreição. As últimas palavras de Jesus poderão ser divididas em três partes, referentes ao passado, ao presente e ao futuro. Jesus declara que toda a autoridade foi dada a Ele no céu e sobre a terra - o verbo está no passado e ensina que Deus deu a Jesus a autoridade como Filho do Homem. Essa autoridade é a do Reino de Deus (Dn 7, 14; 2Cr 36, 23; Mt 6, 10).

O mandamento missionário se refere ao presente dos discípulos - a sua missão universal e permanente de alastrar o Reino de Deus, para que todas as culturas, raças, etnias e religiões cheguem a ter o conhecimento da verdadeira face de Deus. Assim, Mateus mostra que a Igreja é missionária pela sua natureza, e uma Igreja que não a é, está traindo a sua natureza e identidade. Missão não é proselitismo, não é angariar novos adeptos para a Igreja - mas é continuar a missão de Jesus, cuja mensagem foi centrada na chegada do Reino de Deus. Assim, somos chamados a sair dos limites visíveis das nossas comunidades, para que, em diálogo profético com todas as pessoas da boa vontade, colaboremos para que o Reino de Deus - a vivência da vontade do Pai - se torne realidade no nosso mundo.

Mateus não ignorava as dificuldades inerentes nessa missão. Cinquenta anos depois da Ascensão, a comunidade dele, perseguida e fraca, experimentava a tentação do desânimo. Por isso, Mateus insiste no elemento do futuro, que Jesus está e sempre estará com a comunidade dos discípulos. Por isso, não há por  que desanimar diante das inevitáveis incompreensões e dificuldades. Pois, como dizia Paulo, a partir da sua experiência prática de missionário, quando Deus está conosco, nada estará contra nós. (cf. Rm 8, 11).

A festa da Ascensão não celebra o afastamento de Jesus da sua comunidade; mas, ao contrário: celebra a sua presença de uma forma nova - na comunidade missionária dos discípulos. Domingo próximo, celebraremos um outro aspecto dessa nova presença, na Festa de Pentecostes.


Palavras da Presidente da CRB, Ir. Maria Inês Vieira Ribeiro, mad.

Pe. Tomaz, desde que o conheci, possuía uma energia, uma vibração, um amor pela Igreja, pelos pobres e pela Palavra de Deus de causar "santa inveja".

Nunca vi o Pe. Tomaz desanimado e sem garra, fazendo toda sua parte para que o Reino acontecesse. Olha que o conheço desde 1981, quando trabalhei com ele na Diocese de Foz do Iguaçu, Paraná.

Vale lembrar o que diz o Frei Luis Susin, OFMCap: "O Pe. Tomaz foi da espécie que desdiz a teoria do pecado original...tinha os dons do paraíso intactos...aliou conhecimento e realismo com inocência e alegria! Que privilégio tê-lo conhecido ao menos um pouco nos últimos anos. Deus seja louvado pela sua existência".

A Equipe Interdisciplinar da CRB perdeu um membro especial! Agradecemos profundamente ao Pe. Thomaz, que trouxe às nossas reflexões e decisões, o impulso do Espírito Santo, ajudando a perceber que Ele "está fazendo coisas novas! Vocês não estão vendo?'

Obrigada, Pe. Tomaz, por tudo o que você foi à VRC e à Igreja. Disse e escreveu Pe. Tomaz: "A memória não é suficiente. Pode até ser desmobilizadora. Precisa ser completada com a esperança". A CRB Nacional, sua diretoria, a equipe Interdisciplinar e todos os religiosos e religiosas se solidarizam com a Congregação do Verbo Divino e com os familiares de Pe. Tomaz, com um profundo agradecimento a Deus pelo grande dom que este sacerdote foi para a Igreja e para o mundo.


  • Pe.Tomaz Hughes, svd. Faleceu no dia 15 de maio de 2017, em Ponta Grossa (PR). Irlandês, religioso-missionário da Sociedade do Verbo Divino. Radicado no Brasil há 45 anos, atuava especialmente na formação bíblica nas bases e como assessor bíblico da CRB e do CEBI. Dedicava-se a cursos e retiros bíblicos em todo o país. Publicou diversos artigos em Convergência, Estudos Bíblicos e publicações da VRC e é autor do livro “Paulo de Tarso: Discípulo-Missionário de Jesus”.