A Padroeira das Missões

  • Everson Kloser
  • Artigos
0
0
0
s2smodern
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

Outubro é um mês missionário na igreja . Nas celebrações e palestras somos convidados a tomar consciência da importância da missão, a assumir o posto de missionário ,que muitas vezes acaba ficando vago.

Ser discípulos e missionários de Jesus Cristo, não é um privilégio, mas sim um compromisso do ser cristão:

“Anunciar o evangelho é necessidade que me impõe” (I Cor. 9,16).

A figura missionária que brilha para nós é de Santa Teresinha do menino Jesus, monja carmelita, que viveu de forma concreta neste mundo, conheceu alegrias e tristezas e soube dar um sentido para sua vida, fazendo do ordinário a via para santificar-se. Por isto desde sua morte vem conquistando mentes e corações. Precisamos descobrir a verdadeira face dessa grande santa e ir além da imagem rotulada  e errônea que lhe foi atribuída de “rosa e mel”.

A riqueza da graça de Deus em sua alma é de uma grandeza sem par, sendo impossível de não se admirar. A originalidade de sua doutrina, o total abandono em Deus, o testemunho de sua vida, a fizeram mestra insuperável.

O papa João Paulo II na carta apostólica que a proclamou doutora da Igreja (Divini Amoris) não hesita em escrever: “ Teresa oferece uma síntese amadurecida da espiritualidade cristã: une a teologia e a vida espiritual”. Santa Teresinha na Igreja divide duas épocas: a tridentina e a moderna que encontra no Concilio Vaticano II o seu vértice. A vida desta santa deu origem a “novos tempos”.

Não foi à toa que o Papa Pio X, antes mesmo de sua canonização, a chamou de “a maior santa dos tempos modernos”.

Exemplo de missionariedade, Santa Terezinha, antes mesmo de ser carmelita, escreveu na sua carta de pedido de ingresso no carmelo, as duas razões pelas quais desejava ser carmelita: salvar as almas e rezar pelos sacerdotes. Pois quando se ama a Deus, é impossível não amar o próximo; seja quem for. No entanto foi no carmelo que ela pode adquirir um maior ímpeto com uma audácia evangelizadora um pouco incomum para uma religiosa de clausura. Grande contempladora da experiência da misericórdia de Deus, percebeu, que tal experiência era destinada a todos os homens da terra. E por este motivo, não conseguiu ficar extática , por isso sua vida religiosa não se limitou ao claustro.

A imagem do Crucificado que derramava seu sangue na Cruz a fez compreender o mistério da salvação e a necessidade da cooperação humana para o anuncio desse Amor, que é capaz de morrer por cada um Este encontro com Cristo vivenciado por ela não realiza apenas um relacionamento amistoso; mas verdadeiramente abre as portas a relações de novidade também com os irmãos. Isto fica bem claro quando esta proximidade dela com Jesus oferece uma plenitude que vai gerar um bem para almas. Ajudando também os missionários assiduamente em suas orações.

Quantas legiões de almas que ainda não conhecem a maravilhosa mensagem de salvação?

Santa Terezinha sabendo que não estava sozinha, tinha a certeza de que o mesmo Senhor que a impulsionava a ser missionária pela oração lhe dava-lhe a certeza da sua presença e ação junto aos missionários. Grande missionária Santa Terezinha continua a balançar o mundo com sua intercessão, ajudando sobretudo os vários missionários, espalhados pelo mundo, a conquistarem as mentes e os corações para Cristo.

Santa Teresinha viveu em uma época que o iluminismo era marcado pela prepotência da maçonaria e por uma cultura hostil a fé católica. Mas soube usar de suas orações e sacrifícios para que a Verdade evangélica fosse anunciada nesse meio. Hoje em dia vivemos em uma sociedade, por vezes hostil a fé católica, em uma sociedade liquida, onde nada é definitivo. E é justamente nessa sociedade que o evangelho precisa ecoar.

Portanto nós somos os instrumentos para o anuncio de Jesus neste tempo. Nosso Senhor não é propriedade privada de pessoas ou de grupos e se realmente encontrarmos o Senhor como encontrou Teresinha, não ficarmos de braços cruzados. Ele conta com nossa colaboração no campo da missão, quer precisar de nosso testemunho de vida, da nossa voz, de todo o nosso ser para que seja conhecido por aqueles que passarem por nossas vidas. Somos chamados a ser missionários de forma concreta: no nosso trabalho, na faculdade em que estudamos, no bairro onde moramos, em nossa casa e tantos outros lugares. Impulsionados pelo testemunho de Santa Teresinha, com fé e alegria,

peçamos a Deus que nos faça missionários para proclamar o Evangelho de Jesus Cristo.

Everson Kloser.