SABER LER E ESCREVER, MAS É PROIBIDO PENSAR!

0
0
0
s2smodern
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

Políticos profissionais não gostam de um povo que interprete. Gostam de um povo que obedeça, que leia pouco, interprete pouco, que olhe apenas em uma única direção. Nada de novo debaixo do sol!

marionetaCom indignação escutamos as declarações do atual presidente da República de que o Brasil irá reduzir investimentos nas faculdades de Filosofia e de Sociologia. Qual o motivo disso? Segundo o ele, o país precisa investir em faculdades que “geram retorno de fato”. Será que a Filosofia e a sociologia não geram retorno? Evidente que Filosofia e Sociologia não são áreas técnicas e, portanto, não podem ser aplicadas às engrenagens do mercado. No entanto, a raiz das ciências está na Filosofia, que surge com um encantamento do homem em relação ao universo e a própria existência.

Se a Filosofia não move as engrenagens do mercado ela faz a principal pergunta a inquietar o ser humano: por que existimos? Dessa interrogação decorrem tantas outras que sempre foram fundamentais para a existência da nossa espécie. A Sociologia, tão pouco, move, diretamente, o poder do capital. No entanto, nos escancara o funcionamento das sociedades em suas grandezas e em suas patologias. O mercado e o capital deveriam estar a serviço do ser humano e não o contrário.

Penso que seja esse, exatamente, o problema. Filosofia e Sociologia não se deixam instrumentalizar, são livres, são asas do pensamento. Não podem ser presas à lógica mercantil e, por isso, são perigosas. Perigosas pelo fato de que, sendo livres, ensinam as pessoas a serem livres. As ciências humanas são assim. Pode-se dizer, inclusive, como muitas vezes já foi afirmado que as ciências humanas são ciências hermenêuticas. Em outras palavras, existem para questionar, interpretar e conceder sentido ao mundo. Políticos profissionais não gostam de um povo que interprete. Gostam de um povo que obedeça, que leia pouco, interprete pouco, que olhe apenas em uma única direção. Nada de novo debaixo do sol!

Há um projeto de transformar as pessoas em engrenagens do mercado, sem que consigam questionar esse mecanismo. A técnica é fundamental para o desenvolvimento da sociedade e ninguém coloca isso em xeque. No entanto transformar todos os seres humanos em técnicos apenas faz das pessoas massa de manobra. Um técnico trabalha, produz, mas não questiona. Não adianta ensinar a ler, escrever, fazer cálculos se isso não nos humaniza. Precisamos ensinar a ler, escrever, calcular e interpretar. Precisamos capacitar aos estudantes à consciência crítica. Urge que as pessoas saibam pensar, olhem o mundo de forma ampla, considerem o diferente, aprendam a respeitar.

Na cultura grega clássica surge o termo “politica”. Política, o cuidado com a “Pólis” retratava o cidadão livre, que pensava nos problemas comuns para tentar dirimir as questões sociais. O vocábulo antônimo à política é “idiota”. O idiota é o “homem privado”, que cuida apenas de si, que pensa apenas em uma direção. Não podemos permitir que nossa educação prive os estudantes da capacidade política, tornando-os um bando de idiotas.

Pe. Leonardo Lucian Dall Osto