Assembleia do Comina avalia trabalhos e aprova documento com orientações para a cooperação missionária

0
0
0
s2smodern
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

Estudar o documento “Missão e Cooperação Missionária: Orientações para a animação missionária da Igreja no Brasil” foi o principal objetivo da 32ª Assembleia do Conselho Missionário Nacional (Comina).

O evento ocorreu neste final de semana, dias 06 a 08 de março, na sede das POM, em Brasília (DF) e reuniu 55 membros do Comina, entre eles, dez bispos referenciais para a missão nos regionais da CNBB.

“Não podemos nos apossar do Reino de Deus, mas transformá-lo em obras que frutifiquem. Transformemos a nossa vida numa obra de evangelização”, exortou dom Leonardo Steiner, bispo auxiliar de Brasília e secretário geral da CNBB, na missa que abriu os trabalhos. Segundo ele, na cooperação missionária, temos muito que crescer como Igreja no Brasil. “Deus nos deu a graça de anunciar e é importante essa abertura onde Ele indica caminhos para fora, para a doação na pura gratuidade. Nós recebemos tanto no Brasil e somos devedores às outras Igrejas. Temos que agradecer o que recebemos, mas devemos fazer um esforço para sermos tão generosos como eles foram conosco”.

Como principal trabalho, a Assembleia aprofundou as reflexões sobre as orientações para a animação missionária e após fazer algumas alterações, aprovou o documento que será apresentado ao Conselho Permanente da CNBB para avaliação. A programação contemplou uma análise de conjuntura da realidade missionária apresentada pelo assessor teológico do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), padre Paulo Suess.

Ganhou destaque também a avaliação dos trabalhos realizados nos últimos quatro anos pelo Comina juntamente com os Comires e todas as demais expressões missionárias no Brasil.

Dom Sergio Arthur Braschi, há 12 anos na Comissão para a Ação Missionária da CNBB, dos quais, os quatro últimos como Presidente, recordou que “nós recebemos o grande dom da fé e temos a obrigação de partilhar. Nisso nos tornamos missionários. A Assembleia foi muito importante, nesses 50 anos do Concílio, para aprovar as orientações para a animação missionária da Igreja no Brasil. O documento faz uma chamada para concretizar as atividades dos Comires na cooperação missionária. Foi uma Assembleia animada, cheia de fogo do Espírito para continuar a sermos uma Igreja missionária”.

Em sua avaliação, como pontos fortes dos últimos anos, dom Sergio destacou o crescimento dos Conselhos Missionários Diocesanos (Comidis), o despertar para a missão além-fronteiras com envio de missionários e missionárias e o crescimento das Missões Populares e da Missão Continental, a partir de Aparecida. “Por isso que esse espírito está chegando lá no povo, na base”.

Israel Correia do Vale, membro do Comire de Porto Velho (RO), participou pela primeira vez. “Foi muito proveitoso, pois estamos buscando um reavivamento da missão e aqui eu encontrei um dos objetivos que era entender a cooperação missionária”. Ele sublinha a fala do padre Paulo Suess que mostrou qual é a vida na Igreja quando se propõe a ser missionária. “Os exemplos do papa Francisco demonstrando serviço e humildade representam muito para mim”.

A assessora da CRB Nacional para a Missão, Irmã Ivani Brito, falou do Projeto além-fronteiras no Haiti, que completou cinco anos e mantém seis religiosas de diferentes congregações naquele país. A iniciativa é da CRB, CNBB com o apoio da Cáritas e está centrado em três frentes: economia solidária, formação e saúde.

Informes sobre Missão nas fronteiras, na Amazônia, na Guiné Bissau, Missão Continental, Santas Missões Populares (SPM), acompanhamento aos povos indígenas, missão dos leigos, diáconos, presbíteros, religiosos e religiosas, enriqueceram a reunião. O desejo é por uma maior articulação entre os organismos e iniciativas. O representante do Cimi, Gilberto Vieira dos Santos, pediu maior visibilidade da causa indígenas nos conselhos regionais.

Padre Antônio Ramos do Prado, do Setor Juventude da CNBB apresentou um Projeto de Missão para jovens que se inscreveram e não puderam participar da 1ª Missão na Amazônia, experiência vivida por 72 jovens no final de 2014. A ideia é formar e organizar a atuação destes em outras frentes de missão.

Com o objetivo de aprimorar a formação missionária dos futuros presbíteros, as Pontifícias Obras Missionárias anunciaram a realização do 2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas, nos dias 9 a 12 de julho, em Belo Horizonte (MG). Uma cartilha de preparação e as fichas de inscrição foram entregues aos coordenadores para serem distribuídas aos seminaristas nos regionais.

Neste domingo, 8, Dia Internacional da Mulher, a missa homenageou àquelas que se destacaram na missão de gerar e cuidar da vida em diferentes partes do mundo. Uma oração carregada de simbologia missionária seguida do envio encerrou os trabalhos no final da manhã.

Para a secretária executiva do Comina e assessora da Comissão Episcopal para a Ação Missionária da CNBB, Irmã Dirce Gomes da Silva, “a partilha das diversas experiências dos organismos missionários e dos Comires revelou muitos avanços. Além disso, o estudo e a conclusão do documento com orientações para a Igreja no Brasil, ‘Missão e Cooperação Missionária’ servirá de base para impulsionar e fortalecer a caminhada”, enfatizou a assessoria.

comina 2

Participantes da Assembleia do COMINA.

Fonte: POM.