A visita do Papa ao Equador “marcará um antes e um depois na situação do país”

0
0
0
s2smodern
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

“O momento é muito delicado para o nosso país, mas não tenho dúvidas de que a mensagem do Papa será orientada a iluminar a fim de encontrar um caminho de sápida, para encontrar paz e tranquilidade. Esta visita, talvez, marcará um antes e um depois na situação do país”.

Foi o que disse um empresário católico que em 7 de julho, participa do encontro do Papa Francisco com a sociedade civil, na Igreja de São Francisco, em Quito.

Segundo informações enviadas à Fides, há vário dias há muita expectativa por este encontro. Padre Marco Antonio Acosta, secretário da Comissão para as Culturas da Conferencia Episcopal do Equador, um dos organizadores do encontro, explicou que “será um encontro com o Equador ‘pequeno’ ”, para expressar a ideia de que todo o país será representado de alguma forma por vários delegados.

De fato, todos os setores sociais estarão presentes: sindicatos, jornalistas, professores, políticos e operários. Não obstante a lista de cerca de 500 convidados não tenha sido publicada, sabe-se que o encontro terá início com as palavras de Dom Luis Cabrera, presidente da Comissão de Leigos da Conferência Episcopal.

Tomaram a palavra um empresário, um artesão e uma mulher indígena, representando os grupos étnicos do Equador. Outros representantes indígenas manifestaram o desejo de dizer ao Santo Padre para defender sempre os grupos étnicos mais abandonados e as vítimas de negócios das grandes multinacionais que destroem a natureza e não respeitam os direitos dos povos andinos.