Profissão Religiosa de Carlos Eduardo e Marcelo

0
0
0
s2smodern
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

Para uma grande festa todos se preparam antecipadamente, sejam os convidados, muito mais os anfitriões que a promovem.

A vocação religiosa e assim de todo xaveriano, tem a alegria de ser marcada pelo carinho e colaboração de tantas pessoas que a própria caminhada formativa vai proporcionando no decorrer dos anos. Cada lugar nos acolhe com suas particularidades, cuida, incentiva, reza, orienta, acompanha, desafia, celebra e participa de nossa história de uma maneira especial. Muito do que vamos construindo e levando conosco pode-se dizer que possui um pouco dos “traços” que o encontro e a convivência com as pessoas nos possibilitaram mergulhar.

Sendo a vida um projeto que se alarga na dimensão dos outros, seria inconcebível murá-la, isolando-se. A nossa realização como ser humano implica a interação com os outros e se expressa na beleza de cada encontro que nos permitimos participar.

A vocação nascida e cuidada na família biológica se prolonga depois numa outra dimensão de família que vamos descobrindo, cultivando e agregando como parte de nossa caminhada. Quantos pais, mães, irmãos, irmãs, o percurso ainda nos reserva, nos presenteia, nos oferece! São acontecimentos concretos de todos que se lançam nesta busca vocacional. Busca porque não se tem respostas prontas, mas somente o desejo ardente de encontrá-las, construí-las na história em comunhão com diversas pessoas.

É este desejo que nos coloca na estrada, na procura do que ecoa aos nossos ouvidos através dos olhos da fé e pulsa em nosso coração com intensidade.

Descrevo assim a participação da Comunidade de Curitiba (paróquia Bom Pastor) organizada em caravana para a Celebração da Primeira Profissão Religiosa Missionária dos nossos irmãos Carlos Eduardo(natural de Teresina, Piauí) e Marcelo Ávila (natural de Minas Gerais). A consagração realizou-se no sábado,27 de junho de 2015, as 19:00hs, na Comunidade Santa Edwirges, Paróquia São Guido Maria Conforti, cidade de Hortolândia, São Paulo.

O esforço de cada um em despertar em plena madrugada de Curitiba (PR) marca nossa viagem, munidos de agasalhos, travesseiros, mantas, muita disposição e alegria, gesto que por si só expressa que vale sempre celebrar o dom da vida e da vocação. Alegrar-se como família pelo “sim” dos que escolheram consagrar-se na Congregação Xaveriana.

 Esta escolha ganha proporção no seu significado porque não se limita unicamente em quem se consagra por meio dos votos, mas se estende à todos que de uma maneira ou de outra conheceram e participaram desse processo no fluir dos anos. No percurso da viagem, após uma pausa para o café, a oração do terço missionário nos coloca em sintonia com o mundo inteiro, rezando também para que os missionários e missionárias além-fronteiras sejam animados na missão aos quais foram enviados. Um pedido especial pelas vocações missionárias (religiosos, religiosas, consagrados, ordenados, leigos) e sentimento de gratidão por estes que optaram viver esta vocação na família de São Guido Maria Conforti.

A acolhida por parte das famílias da Paróquia São Guido aos viajantes, na chegada à Comunidade do Noviciado no começo da tarde, torna-se outro gesto de comunhão. Gesto que de certa maneira já se configura numa tradição em nossos encontros, celebrações e eventos. Na divisão da casa de quem nos acolhe, dividimos também a nossa vida, a nossa história e o grande sonho que nos une como família xaveriana.

Nossa gratidão à todos que nos possibilitaram viver este momento com intensidade na alegria do encontro e da celebração. A gratuidade nos surpreende e humaniza nossas relações diante do mundo que na maioria das vezes acentua somente as trevas.

Gratidão ao povo de Hortolândia!

profissão

Enfim, chega a celebração. Espaço preparado com dedicação para a ocasião, rostos conhecidos que nos proporciona cumprimentos e abraços, uma expressão de pertença por aquilo que se vai celebrar. Contemplar esta variedade de colaboração e presença na preparação, oração, entusiasmo e cuidado por este momento, tornam também motivação para quem partilha do mesmo projeto vocacional missionário.

Abastecer-se desta energia que brota do próprio Cristo que nos chama, para n’Ele renovar no cotidiano das atividades a resposta “Eis-me aqui!”.

Faz-se visível o quão importante e necessário é a Comunidade (povo de Deus), pois com ela e nela sonhar não é ilusão, mas uma realidade possível de concretização.

A confraternização, seja no sábado, após a celebração, e no domingo com o almoço, tornou-se espaço de ação de graças pelo acontecimento significativo. Certamente estas experiências constituirão lembranças que a vida arquivará em seu ‘banco de dados’, e recordar em outras ocasiões nos fará ultrapassar os desafios que porventura chegarem a nos atingir. Fica o compromisso das orações recíprocas entre nós, pois ‘a chama só se mantém acesa, quando permanece em contato com os outros. Isolando-se, ela se extingue!’. Que assim possamos estar sintonizados sempre!

Segundo as Constituições Xaverianas, em seu número 65, a primeira profissão religiosa após a conclusão da etapa do noviciado tem como finalidade “levar o candidato à escolha definitiva da vida xaveriana, através de um amadurecimento e de uma confrontação no dia-a-dia do novo estilo de vida. Para completar este amadurecimento e esta verificação é útil o contato experimental com outras culturas, especialmente de missão.”.

É assim que Marcelo Ávila e Carlos Eduardo adentram esta nova etapa, agora professos como Missionários Xaverianos, partindo no segundo semestre para as teologias internacionais. Carlos Eduardo vai para Parma, Itália, e Marcelo para Yaoundé, Camarões. Desejamos à estes nossos irmãos uma revigorante missão e sucesso nos estudos, certos de que nos encontraremos em outros momentos para festejar a alegria da vocação missionária. Que o Senhor da Vida e da história os ilumine e São Francisco Xavier interceda pelas vossas perseveranças!

Como paroquianos da Bom Pastor, constituído pelos Leigos Xaverianos, Irmãs Xaverianas, amigos e familiares que celebraram conosco este momento, os acompanhamos desde já em nossas orações. Nos despedimos e os enviamos com as palavras de São Guido Maria Conforti: “O missionário é o símbolo mais belo, o apóstolo mais convicto e ardoroso da fraternidade universal proclamada por Cristo.

A fraternidade, pela caridade de Cristo, derruba todas as barreiras e forma em todos os homens uma só grande família!”


Na foto em cima: Momento da Profissão Religiosa de Carlos Eduardo e Marcelo.