Missão é morrer às nossas certezas

  • Adriano Cunha Lima
  • Artigos
0
0
0
s2smodern
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

A missão no Chade me faz começar uma vida toda. Apesar dos meus cinco anos de estudo nos Camarões, tudo aqui é novo, diferente, cheio de maravilhas por descobrir. A África é um continente enorme que transborda diversidades e riquezas.

Precisei voltar a ser criança, aprendendo tudo uma vez mais: falar, comer, rezar, me relacionar, fazer missão… de uma maneira toda nova, de uma maneira « chadiana ». Tudo isso nem sempre é fácil, pois é preciso morrer um pouco das nossas certezas, falar menos e escutar mais, silenciar as críticas e ter um olhar positivo a cada fato, situação e pessoa. É preciso abrir o coração para os novos gostos, cheiros, rostos, paisagens e sons procurando, encontrando, amando e anunciando Deus em tudo e em todos.

O Chade é um grande país no coração da África e abriga vários povos e culturas muito diferentes. A paisagem varia do grande deserto do norte às savanas planas do sul. Vivo na região sudoeste do país, em uma cidade chamada Gaya. Estamos na diocese de Pala. A grande parte da nossa população vive daquilo que planta, cria e caça. Temos uma grande estação de seca e uma estação de chuvas. Desde que as chuvas aparecem o verde volta a tomar conta do amarelo seco que é bonito e uma vida nova começa.

O povo espera as chuvas com ansiedade, pois os celeiros estarão cheios somente se elas chegam à quantidade exata. Eles vivem das diversas qualidades de sorgo e do arroz. Cada dia eles preparam uma grande polenta feita da farinha destes cereais e com o molho ao lado compõem a refeição. Aqui comemos juntos, no mesmo prato e com as mãos. Quando as chuvas não são suficientes, os grãos acabam antes da outra colheita e a fome aperta.

O Chade é um dos últimos países no IDH (índice de desenvolvimento humano). E apesar da beleza, da alegria e da força do nosso povo trabalhador, falta muito para que tenhamos um sistema de saúde e de educação dignos.

Este ano nossa diocese celebra 50 anos de existência. Nossa Igreja é jovem. Tudo parece ainda estar no começo. Os cristãos não são a maioria, mas aos poucos nossas comunidades crescem, o Evangelho contagia. Somente os jovens e os adultos recebem o sacramento do batismo e isso depois de quatro anos de uma catequese fortemente baseada nos Evangelhos que eles aprendem de memória.

adri4

Fiquei emocionado na minha primeira páscoa aqui. Nas nossas duas paróquias mais de 100 pessoas receberam o sacramento do batismo. No começo da missa o padre Simon chamava cada candidato ao batismo pelo seu nome, e eles respondiam « an wanni », que significa « sou eu, eis-me aqui ». E eu pensava em todas as gerações de cristãos que responderam a este mesmo chamado e acenderam a luz que não se apaga e afasta as trevas deste mundo. Acendemos então nossa fogueira de mais de quatro metros e eles todos: anciãos, adultos e jovens dançavam, cantavam e gritavam em volta com uma alegria extrema, que ficou gravada até hoje no meu coração.

Somos três Xaverianos a trabalhar juntos: dois padres camaroneses e eu. Servimos duas grandes paróquias com mais de 60 pequenas comunidades. Habitualmente nos encontramos em cinco centros para as celebrações eucarísticas.

As comunidades são distantes e as estradas exigem todos os meios de locomoção, carro, moto, bicicleta, canoa… e os pés. Alguns cristãos caminham mais de oito quilômetros para vivenciar este momento de comunhão, tudo isso dá um sabor a mais de vida cristã. Meu primeiro trabalho é me inserir na língua e na cultura do povo Musey (etnia que vive nesta região do Chade). São poucas as pessoas que dominam bem o idioma francês, exigindo assim o aprendizado da língua local.

A língua é difícil e é o meu primeiro grande desafio como missionário. Assim nos fazemos irmão entre os irmãos. Compreender meu novo povo, buscar Deus nele e partilhar minha fé com ele. Quando cheguei me acolheram com um chapéu, um bastão e uma garrafa de água, símbolos do pastor do rebanho, que caminha sob o sol forte do Chade, levando vida para o rebanho. Isto é um apelo, um grito, parecido com os do Papa Francisco, para que os missionários saiam da sua segurança e caminhe com os irmãos, procurando Deus.

Fazendo do povo de Deus um povo missionário que caminha espalhando o verde da esperança nos desertos deste mundo.

An gagi dep coco'o (muito obrigado). Wayagina.

Pe. Adriano Cunha Lima.